topo

Home

Sites Parceiros

www.eireli.com


EIRELI - Portal da Empresa

Individual de Responsabilidade

Limitada

Tributo Municipal


Tributo Municipal
Revista Eletrônica da
Tributação Municipal

Tributação na Construção


Tributação na
Construção Civil
e Imobiliária

Assine nossos Boletins

PUBLICADA A LEI DO PERT (LEI Nº 13.496/2017)! PDF Imprimir E-mail


Finalmente, foi publicada no DOU de 25/10/2017 a lei “definitiva” do programa de regularização tributária – PERT: Lei nº 13.496/2017.
Seguem as principais alterações trazidas na redação original da Medida Provisória nº 783/2017 (que criou o PERT):

· garantia para o contribuinte contra eventuais problemas no sistema da RFB e PGFN;
· não poderão ser incluídos no PERT débitos declarados inconstitucionais pelo STF;
· aumento no desconto da multa;
· redução de 100% dos encargos do DL 1.025/1969 nas modalidades PGFN, exceto no escalonado, quando débitos forem de até R$ 15 milhões;
· extensão da possibilidade de uso de prejuízo fiscal, base de cálculo negativa da CSLL e outros créditos fiscais para débitos da PGFN até R$ 15 milhões, exceto na modalidade escalonada;
· redução da entrada de 7,5% para 5%;
· criação de uma nova modalidade de pagamento na RFB: mínimo de 24% em até 24 meses, e o restante pago mediante utilização de créditos;
· vetados dispositivos referentes ao Simples Nacional: logo, continua vedado o parcelamento de débitos do Simples Nacional (guia DAS), assim como não aprovou parcela mínima especial para empresas do Simples Nacional. Todavia, a redação final dá margem para tais empresas (atualmente optantes pelo Simples Nacional) afastarem a parcela mínima de R$ 1.000,00;
· dispensa de honorários sucumbenciais para o contribuinte que desistir de ação judicial para incluir débito no PERT;
· previsão de direito de defesa administrativa anterior à exclusão do contribuinte no PERT;
· no caso de imóvel penhorado ou indicado em execução fiscal, contribuinte poderá pleitear a alienação por iniciativa particular;
· tributos passíveis de retenção poderão ser incluídos no PERT, como, por exemplo, o INSS retido dos empregados e o IRRF;
· também entrarão no PERT os débitos decorrentes de lançamento de ofício em que ficou configurada sonegação fiscal, mesmo com trânsito julgado administrativo;
· foi vetado dispositivo que previa expressamente a não incidência do IRPJ, CSLL, PIS e COFINS sobre os descontos havidos no PERT, a título de multa, juros e encargos, assim como a não incidência sobre o aproveitamento de prejuízo fiscal, base negativa de CSLL e outros créditos fiscais próprios ou de terceiros (transferidos entre empresas do mesmo grupo).

No mais, foram mantidas as demais regras do “Refis”, valendo destacar e lembrar as seguintes:

· débitos passíveis de inclusão: débitos com RFB ou PGFN vencidos até abril de 2017;
o os débitos do Simples Nacional não entram.
· sob pena de ser excluído do programa, o contribuinte tem o dever de ficar regularizado com os tributos vincendos, inclusive FGTS, a partir de abril de 2017;
o é causa de exclusão do parcelamento a inadimplência dos tributos vincendos (correntes, vencidos a partir de maio/2017): seis meses alternados ou três consecutivo.
o quanto às próprias parcelas do PERT: idem.
· adesão até 31/10/2017. Aguarda-se uma nova prorrogação deste prazo para 15 ou 30 de novembro. A expectativa é que saia uma nova medida provisória ainda nesta semana sobre o assunto;
Portanto, agora a tensão fica em torno da prorrogação, ou não, do prazo para adesão.

Vamos aguardar, ainda, as regulamentações que a RFB e a PGFN precisarão fazer, além, é claro, da própria alteração dos seus sistemas.